Perguntas frequentes

Não, o Lar Moisés não trabalha com adoção nem fornece informações sobre as crianças que abriga. Para mais informações sobre adoção, procure a Vara da Infância de Curitiba:

Rua da Glória, 290, sexto andar – Curitiba/PR. Fones: (41) 3250-1704 ou (41) 3250-1705.

Nós temos capacidade para atender até 20 crianças de até 12 anos.

Atendemos meninas e meninos, crianças com e sem deficiências intelectual e física, sempre fornecendo, com muito amor e carinho, tudo aquilo que uma família poderia oferecer para elas em termos de cuidado e de atenção.

Varia. As crianças são encaminhadas pela Vara da Infância e da Juventude em Curitiba e permanecem no Lar até que a Justiça decida se elas podem voltar para casa ou se devem ser encaminhadas para adoção (neste caso, elas ficam no Lar até que o processo de adoção seja concluído).

Caso ultrapassem os 12 anos, elas são encaminhadas para outro abrigo. Já tivemos casos de crianças que viveram no Lar por mais de 8 anos enquanto outras moraram apenas algumas semanas ou meses.

Assim que chega, a criança passa por uma análise minuciosa. Nós avaliamos a condição física e emocional dela e também o histórico familiar.

Além disso, verificamos e cumprimos todas as determinações judiciais relativas à criança.

Ao mesmo tempo, atendemos às suas necessidades mais básicas, fornecendo roupas, providenciando cuidados médicos e de higiene, e garantindo que ela tenha um local seguro para descansar.

Aqui, as crianças levam uma vida tranquila. Elas brincam, vão para a escola ou creche e participam de diversas atividades que nós promovemos com a ajuda de voluntários, como passeios em parques, idas ao cinema e aulas de judô e de reforço escolar. 

Também são acompanhadas diariamente por uma equipe multidisciplinar, composta por assistentes sociais, educadores, psicóloga, terapeuta ocupacional, pedagoga e outros profissionais que trabalham como voluntários.

Se alguém precisa ir ao médico, a gente recorre ao Sistema Único de Saúde. Em casos de medicamentos, de consultas médicas e de exames não cobertos pelo SUS, recorremos à Justiça ou pedimos doações aos nossos colaboradores.

Atualmente, nosso gasto mensal com itens de farmácia e saúde é considerável. Os recursos arrecadados com doações avulsas e com o nosso Clube do Amigo são importantíssimos para que possamos bancar esses custos.

Dependendo do caso, os pais podem, sim, visitar os seus filhos, desde que a visita esteja de acordo com o que foi estipulado pela Justiça. As visitas sempre têm a supervisão da nossa equipe.

Lembrando que a prioridade da Justiça é sempre tentar restabelecer o vínculo familiar, seja com os pais ou com outros membros da família. O Lar tem um papel importante nesse processo (leia mais ao lado).

Além de prover um ambiente saudável para que as crianças possam se desenvolver, encaminhamos regularmente para a Vara de Infância e da Juventude relatórios sobre a situação das crianças.

Também é nosso dever dar suporte e acompanhar o processo de reintegração de uma criança à sua família, o que quer dizer que visitamos e preparamos os pais para que possam receber de volta o seu filho.